Marcia Cohen - Patisserie Kasher | paixão por docinhos …
500
post-template-default,single,single-post,postid-500,single-format-standard,ajax_fade,page_not_loaded,,qode-title-hidden,qode_grid_1300,footer_responsive_adv,qode-theme-ver-11.2,qode-theme-marcia cohen,wpb-js-composer js-comp-ver-5.5.4,vc_responsive

paixão por docinhos …

Olá pessoal! Aqui é a Márcia Cohen e esse é o cantinho que posso contar um pouco sobre a minha confeitaria e ir contando aos poucos a trajetória da minha história nesse ramo. Hoje vou contar um pouquinho da minha relação tão apaixonada pelos doces! O doce sempre foi minha preferência, podia trocar uma refeição por um delicioso pedaço de bolo com cobertura de chocolate, eu sempre amei! E nas festas? Jamais pensaria em ir embora sem comer a sobremesa! Eu ficava até o final por causa dos docinhos… E vocês acham que comer um docinho resolvia? Não! Eu tinha que experimentar TODOS!

Dessa paixão pelos doces entrei no mundo da confeitaria caseira, daqueles docinhos gostosos que a gente faz em casa, quando queremos comer um brigadeiro de colher, um bolo com cafezinho, fazer os brigadeiros das festas da família, das amigas, dos filhos das amigas… Nos aniversários dos meus filhos por exemplo, eu podia encomendar tudo menos os brigadeiros, esses eu fazia questão de fazer! E o bolo? O Rafael meu filho menor, hoje com 22 anos, não gostava de bolo comprado, tinha que ser o bolo feito por mim, não como aqueles bolos enfeitados e bonitos das doceiras, mas aquele caseiro e gostoso, que não falha! E lá ia eu na pizzaria, no restaurante, nas festinhas carregando o bolo do Rafa pra cantar parabéns! Kkkkkk

O Eduardo, meu filho mais velho que tem 24 anos também não queria bolo, ele me pedia para fazer o pavê de chocolate… Colocávamos a vela no pavê e cantávamos o parabéns!

Esse início da minha confeitaria ‘amadora’ que começou na minha própria casa fez parte de toda a minha trajetória. Foi o pontapé para tudo!

Durante minha carreira, segui outras profissões… Cursei pedagogia quando jovem e trabalhei por mais de 20 anos na área de educação como professora. Após muitos anos, trabalhei na área financeira e para isso, voltei para a faculdade! Desta vez para cursas administração de empresas e trabalhei por quase dez anos na área financeira.

Minha vontade de ter meu negócio próprio foi crescendo e comecei a fazer cursos de confeitaria com a Vivian Feldman e fazer doces em casa para vender.

Minha experiência na área administrativa e financeira tiveram uma grande influência na hora de abrir minha confeitaria, queria muito mais do que vender doces em casa, eu queria essa confeitaria de hoje… o que eu sempre sonhei!

Quando decidimos abrir uma confeitaria de verdade e se profissionalizar, começamos a analisar os espaços do mercado e em pouco tempo tínhamos a ideia perfeita… “A primeira Paveteria de São Paulo!” Alguém já tinha ouvido falar? Era a ideia perfeita, meu pavê era uma delícia e eu tinha certeza que íamos dominar o pais, vender pavês em todos os supermercados que existem e virar um dia uma grande marca de pavês que distribui para os pontos de venda sobremesas prontas. O que é uma ‘Paveteria’? Acho que nos mesmos inventamos esse termo… Uma Paveteria nada mais é do que uma confeitaria especializada em Pavês, aquele doce de três camadas: bolacha maisena em farofa, chocolate e creme… De uma coisa tínhamos certeza, não queríamos loja aberta para rua. Nosso objetivo era vender sob encomenda e eventos corporativos para um dia ser um grande distribuidor.

Enfim, antes de lançar essa nova marca, busquei um profissional de marketing e desenvolvemos toda uma identidade visual para essa Paveteria querendo passar para os clientes uma ideia de um doce caseiro e gostoso, mas ao mesmo tempo gourmet. Com essa brilhante ideia nasceu a ‘Chez Lucie Paveteria e Especialidades’ no começo de 2016. O nome Lucie veio em homenagem à minha avó, com quem passei muitos anos da minha vida observando e aprendendo muitos ensinamentos! Chez é uma palavra em francês que significa casa, ‘cantinho’. O cantinho da Lucie!

Além dos pavês eu também fazia brigadeiros gourmet (a nova tendência da época), trufas e alguns doces e comercializava nas Festas de Pascoa, Natal, Ano Novo Judaico e aniversários.

Sem comentários

Postar um Comentário